Raticídas - Porque não usar

 

Por Alessandra Oliveto, Renan Cardoso, Eduardson Elias

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

     O uso irresponsável de raticidas causa um grande impacto na fauna selvagem. O envenenamento nos animais silvestres pode se dar de forma primaria ou secundaria. Neste breve texto explanaremos alguns pontos importantes relacionados às aves de rapina.

Segundo Menq, as aves de rapina possuem um papel chave no equilíbrio ecológico das áreas onde vivem. Por serem predadoras elas exercem influencia direta no controle de espécies nocivas ao homem como roedores, pombos, aranhas, escorpiões e cobras. Os rapinantes efetuam sem custo algum um controle de pragas urbanas. Se as rapinas deixarem de existir em determinados locais poderá ocorrer um desequilibro ecológico com a superpopulação de pragas.

 

     Devido à impaciência e ignorância, o ser humano tenta controlar essas pragas (ratos, pombos, insetos) de uma forma agressiva, utilizando-se de meios convencionais e não ortodoxos como o uso de venenos.

Dentro do cotidiano de prevalência de raticidas na fauna selvagem, as aves de rapina, tanto noturnas como diurnas, representam uma porcentagem significativa.  Sendo aves predadoras e muitas vezes necrófagas (comem restos de animais mortos), muitas delas com um perfil de alimentação bastante amplo, pertencem a um dos grupos animais que frequentemente são acometidos pela intoxicação secundária causada por estes compostos (Cox e Smith, 1992).

 

    O fato dos raticidas serem tóxicos para todos os vertebrados é preocupante por conta do impacto que estes podem causar sobre as populações não-alvo. A literatura relata inúmeros casos de envenenamento por raticidas em humanos, animais domésticos e animais selvagens (Brakes e Smith, 2005; Erickson e Urban, 2004, Murray e Tseng, 2008; Kohn, Weingart e Giger, 2003; Munday e Thompson, 2003; World Health Organization, 1995).

Ao longo dos anos, e em diversos países, a preocupação sobre possíveis impactos dos raticidas e em especial os anticoagulantes de segunda geração, tem aumentado. O impacto destas substâncias nos diversos biótopos pode ocorrer em vários níveis e a proporção de indivíduos afetados depende de vários fatores. Contudo o risco depende sempre da toxicidade do raticida utilizado e do tempo de exposição da ave ao mesmo.

   

    Quando falamos em envenenamento secundário, pensamos logicamente na predação de roedores, mas muitas rapinas também se alimentam de aves que também podem estar sujeitas a ingestão dessas substâncias. Foi constatado que espécies como o Pardal (Passer domesticus), Ferreirinha-Comum (Prunella modularis), Melro (Turdus merula), Olho-Branco (Zosterops lateralis), entre outros, ingeriram isco em forma de grão, principalmente de brodifacume, e mais tarde foram encontrados mortos com resíduos desses raticidas no seu organismo (Eason e Spurr, 1995a; Eason e Spurr, 1995b; Eason et al, 1999; Eason et al, 2002; Eason et al, 2001).

 

 

 

 

   

 

 

  

 

    No entanto, os possíveis efeitos do uso de raticidas não são verificados apenas pela mortalidade que provocam via envenenamento secundário. Um estudo realizado no Reino Unido entre 1990 e 1994 determinou que um terço das aves mortas analisadas estavam contaminadas com raticidas de segunda geração, mas apenas 2% tinham morrido diretamente devido à dose do tóxico que ingeriram. Estes dados levantam suspeitas sobre possíveis efeitos sub-letais, que podem predispor a fauna a outros problemas, tornando-a mais suscetível a outras causas de mortalidade, como, por exemplo, o atropelamento (Wyllie 1995).

 

SELEÇÃO DE PRESAS PELAS AVES DE RAPINA

 

    A relação predador/presa é bem complexa e relacionada a um grande número de fatores como tamanho, sexo e idade da presa, além do nível de vigilância, táticas do predador e da presa, dentre outros (Kenward, 1978).

    Uma das variantes nesta interação é a condição geral em que se encontra a presa. Normalmente existe a tendência para assumir que os predadores selecionam positivamente indivíduos debilitados, com uma condição física fraca, contribuindo assim para a seleção natural (Fernández-LLario e Hidalgo de Trucios, 1995; Moller e Erritzoe, 2000; Murray, 2002). Animais que apresentam algum tipo de debilidade serão preferencialmente predados, fazendo com que as taxas de sucesso sejam elevadas com um gasto menor de energia por parte do predador (Moller e Erritzoe, 2000; Murray, 2002, Penteriani et al, 2008).

 

    As diversas condições de debilidade podem ser percebidas e apreendidas pelos predadores como “pistas visuais” e estão relacionadas com a facilidade de captura (Penteriani et al, 2008).

 

UM BREVE RELATO QUE NÃO DEVERIA SER REAL

 

    Os P. unicinctus são conhecidos por sua capacidade de adaptação as mais diversas presas e por serem extremamente inteligentes. São aves que se adaptaram para a caça nos mais diversos territórios e possuem uma grande taxa de sucesso nas capturas.

    Um indivíduo desta espécie usado em controle de pragas permaneceu alguns dias solto na área em que o serviço estava sendo realizado. O mesmo estava sendo monitorado pela equipe através de telemetria e visualização de seus sobrevôos nas áreas onde os pombos ficavam expostos.

    A equipe visualizou o Parabuteo em uma árvore quando, de repente, ele saiu em um voo rápido em direção a alguns pombos sem lograr êxito na captura. Notou-se que o Parabuteo estava voando entre árvores e fora constatado que havia uma presa em suas garras. Prontamente ele começou a se alimentar, então retornamos ao ponto de apoio e aguardamos.

 

    Recebemos uma ligação de um dos funcionários da empresa em que estávamos prestando o serviço de controle de pragas, e ele nos informou que estavam com um gavião anilhado em posse do funcionário.

Em menos de 15 horas a ave estava dando show de acrobacias no ar para captura de presas e quando chegamos tivemos a triste surpresa de encontrar a ave morta.

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    Na analise macroscópica foi verificado que a ave ainda estava com alimento no bico e que fora atropelada. Na necropsia constatou-se que a ave estava se alimentado de um roedor e encontraram manchas hemorrágicas no coração e pulmões, além de deterioração do fígado.

Apesar de ter sido atropelada, não foram encontrados manchas de sangue e fraturas. A literatura diz que aves do porte dos Parabuteo unicinctus normalmente não morrem por conta do envenenamento e sim em consequência do mal estar, podendo ser predadas ou atropeladas.

 

SINTOMOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

 

    Segundo o médico veterinário Renan Cardoso, os sintomas deste tipo de envenenamento são bastante inespecíficos e estão relacionados com a disfunção de vários órgãos, hemorragias e outros sintomas que devem ser verificados por profissionais capacitados.

 

    Renan afirma que o ideal é a profilaxia, sempre verificar a procedência do alimento que as aves de rapina estão consumindo. “Como a grande maioria dos animais selvagens, os rapinantes tendem a não demonstrar que estão debilitados, então, quando observada qualquer alteração de comportamento, deve-se levar o animal imediatamente para um médico veterinário capacitado para que sejam realizados os procedimentos necessários” finaliza Renan.

 

Dicas para os Falcoeiros:

- Não deixar seu animal comer alimentos sem procedência;

- Verificar qual o tipo de técnica utilizada para abater o alimento, caso não seja realizada por você mesmo.

 

Dicas para a população em geral e empresas:

- Não utilizar raticidas na eliminação de pragas urbanas.

- Chamar uma equipe experiente e treinada para a realização do controle de pragas e vetores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERENCIAS:

 

- INCIDÊNCIA DE RODENTICIDAS EM AVES DE RAPINA - http://www.antidoto-portugal.org Acesso: 23 de fevereiro de 2016

- MENQ, W. 2015 -  Aves de Rapina Brasil - Importância das aves de rapina - Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/ > Acesso em: 1 de Março de 2016

- Banner e vídeo - www.raptorsarethesolution.org

                          

                       

 

 

 

 

"Briquetes" de diferentes raticidas. Que chamam atenção de pássaros.

Acima foto do arquivo pessoal. Abaixo a ave como foi encontrada.

Propagandas do Raptors Are The Solution (RATS)